Boa tarde, faça o seu login ou clique aqui para se cadastrar.
{carrinho_nitens} ITENS | TOTAL: {carrinho_total}

Qual material específico de provas resolvidas e comentadas que você gostaria de encontrar em nossa loja:



[ Ver resultados ]

Votos: 7454
Comentários: 77
VISAMastercardBoleto Bancário

ENGENHARIA DE SEGURANÇA - PROVAS RESOLVIDAS e COMENTADAS DE CONCURSOS PÚBLICOS (2004 A 2006)

  • Nº DE PÁGINAS : 257; FORMATO DO PAPEL: A4; CAPA COLORIDA: CONTEÚDO: PRETO e BRANCO; ACABAMENTO: BROCHURA.

R$ 90,00
em até 3x de R$ 30,00 sem juros
  • Indique este produto
  • Comentários
  • Visa
  • Mastercard
  • Boleto
  • 01x sem juros de R$ 90,00
    02x sem juros de R$ 45,00
    03x sem juros de R$ 30,00
    • 01x sem juros de R$ 90,00
      02x sem juros de R$ 45,00
      03x sem juros de R$ 30,00
      • Boleto BancárioBradescoR$ 90,00 à vista
        Mais informações sobre este produto

      Este material tem por objetivo servir de apoio para aqueles que prestam concursos públicos na área de Engenharia de Segurança do Trabalho. São 476 exercícios resolvidos e comentados, todos referentes aos conhecimentos específicos, com o propósito de fazer com que o leitor entenda de forma clara e objetiva o assunto. Tendo em conta a dificuldade de encontrar material disponível na área e a extensa lista de conteúdos exigida para esses concursos, a intenção é que através deste material, o leitor consiga aprofundar conceitos, entrar em contato com o que está sendo exigido e se preparar para as provas escolhidas.

      PROVAS ESCOLHIDAS:
      - CASA DA MOEDA - 2005 (CESGRANRIO);
      - TRANSP. GASODUTO BOLÍVIA/BRASIL - 2006 (UFRJ); 
      - IPLANRIO - 2005 (FJG); 
      - ELETROBRÁS - 2006 (UFRJ); 
      - GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ - 2006 (UFRJ); 
      - PETROBRÁS - 2005 (CESGRANRIO);
      - INFRAERO - 2004 (UFRJ);
      - TRT-3/MG - 2006 (FCC); 
      - MTE - 2006 (ESAF); 
      - PROCAPE - 2005 (UPE); 
      - ELETRONORTE - 2006 (UFRJ); 
      - MPU - 2004 (ESAF);
      - AGANP - 2006 (UEG).

      DADOS DA OBRA:
      ELABORAÇÃO:
      GICÉLI SANTOS DE CAMARGO; MÁRCIO DE FREITAS
      CAPA: GILSON CAMARGO

      Segue abaixo um exercício para demonstração de como o material foi elaborado:
      Em um posto de trabalho, um trabalhador expõe-se, diariamente, durante 8 horas, a um ruído conforme a seguinte situação: 87 dB(A) por 4 horas; 88 dB(A) por 1 hora; 85 dB(A) por 1 hora e 30 minutos; e 80 dB(A) por 30 minutos. Os limites de tolerância para cada exposição são: 87 dB(A) por 6 horas; 88 dB(A) por 5 horas; 85 dB(A) por 8 horas. Quanto a essa situação hipotética, assinale a opção correta.

      (A) A exposição está acima do limite de tolerância.
      (B) O fator de desvio a ser utilizado para estabelecer o valor máximo de exposição nessa situação é de 1,5.
      (C) A exposição deve ser considerada insalubre em grau máximo.
      (D) Não deveria ser permitida a exposição do trabalhador, caso ocorressem níveis de ruído acima de 115 dB(A).
      (E) A situação é de risco grave e iminente. 

      Resolução:
      De acordo com a NR 15 - Atividades e Operações Insalubres - Anexo I, Limites de Tolerância para Ruídos Contínuo ou Intermitente; Item 6:
      Se durante a jornada de trabalho ocorrerem dois ou mais períodos de exposição a ruído de diferentes níveis, devem ser considerados os seus efeitos combinados, de forma que, se a soma das seguintes frações:
      (C1/T1) + (C2/T2) + (C3/T3) + ..... + (Cn/Tn) exceder a unidade, a exposição estará acima do limite de tolerância.
      Na equação acima, Cn indica o tempo total que o trabalhador fica exposto a um nível de ruído específico, e Tn indica a máxima exposição diária permissível a este nível.

      Para o exercício em questão o tempo de 30 minutos exposto ao ruído de 80 dB deverá ser desprezado, pois consideram-se nocivos ruídos a partir de 85 dB(A). Então, temos:
      C1 = 4h; C2 = 1h; C3 = 1,5h; T1=6h; T2= 5h; T3=8h.
      Aplicando a fórmula temos:
      (4/6) + (1/5) + (1,5/8) = 0,66 + 0,2 + 0,19= 1,05
      Como o resultado excede a unidade, conclui-se que o trabalhador está exposto a um ruído acima do limite de tolerância.

      15.2 O exercício de trabalho em condições de insalubridade, de acordo com os subitens do item

      anterior, assegura ao trabalhador a percepção de adicional, incidente sobre o salário mínimo da

      região, equivalente a:

      15.2.1 40% (quarenta por cento), para insalubridade de grau máximo;

      15.2.2 20% (vinte por cento), para insalubridade de grau médio;

      15.2.3 10% (dez por cento), para insalubridade de grau mínimo;

      De acordo com o Decreto 34.573, de 04/03/1993, que Regulamenta a concessão do adicional de insalubridade, de periculosidade e de atividade penosa aos servidores públicos da Administração Direta, das autarquias e das fundações públicas do Estado, e dá outras providências:
      Art.4º; § 3º Considera-se insalubridade de grau médio:
      1 - as atividades ou operações que exponham o servidor a:
      a) níveis de ruído contínuo ou intermitente superiores aos limites de tolerância;
      b) níveis de ruído de impacto superior aos limites de tolerância;
      c) exposição ao calor com valores de IBUTG (Índice de Bulbo Úmido - Termômetro de Globo) superiores aos limites de tolerância;
      d) radiações não ionizantes, consideradas insalubres em decorrência de inspeção no local de trabalho; 
      e) vibrações consideradas insalubres, em decorrência de inspeção no local de trabalho;
      f) frio considerado insalubre, em decorrência de inspeção no local de trabalho;
      g) umidade considerada insalubre, em decorrência de inspeção realizada no local de trabalho;
      h) agentes biológicos.

      Obs: Situações de risco grave e iminente são constatadas em atividades que exponham os trabalhadores a níveis de ruído, contínuo ou intermitente, superiores a 115 dB(A), sem proteção adequada. Poderá ser permitida a exposição do trabalhador, caso ocorresse em níveis de ruído acima de 115 dB(A), somente se o mesmo estiver adequadamente protegido. O agente ruído gera grau médio de insalubridade porque está acima dos limites de tolerância. Em relação ao fator de desvio, o mesmo deverá ser considerado para a exposição com agentes químicos. Exposição à ruídos não levam em conta o fator de desvio.
      Alternativa A é correta.

       DOWNLOAD DE MAIS EXERCÍCIOS DEMONSTRATIVOS
       
                                                                 ÍNDICE

           

      Opinião dos consumidores
      • 5 100% | 4 Votos
      • 4 00% | Nenhum voto
      • 3 00% | Nenhum voto
      • 2 00% | Nenhum voto
      • 1 00% | Nenhum voto
      Avaliação geral:55 de 5 estrelas
      E você, o que achou?
      Compartilhe sua opinião com a gente!
      Ver todos os comentários sobre esse produto

      Supera Editorial
      CNPJ 80.751.423/0001-82
      Rua Marechal Deodoro, 2137, Alto da XV - Curitiba/PR
      CEP: 80045-235
      tel (41) 3308 6061 / 9872 9204
      e-mail: superaeditorial@gmail.com